Os Profetas da Vaidade

Foto de Javi_indy

         Um culto pentecostal está acontecendo, louvores são entoados, a mensagem é pregada, e um “profeta” se dirige a uma mulher que está chorando copiosamente e entrega seguinte profecia: “Deus está mandando eu te dizer que seu casamento não tem mais jeito! Ele está preparando algo melhor para você”. Ainda chorosa, a mulher recebe a mensagem, volta para casa, e só Deus sabe o desfecho desta história.

            O relato contado acima não é uma estória. Trata-se de uma história real contada pelo próprio “profeta”, dizendo como o culto de domingo foi abençoador em sua congregação. Perplexo, perguntei-o se conhecia aquela mulher, qual era o tipo de relacionamento abusivo que ela estava sofrendo com o marido, se ele a agredia fisicamente ou se a traía com outras mulheres. O “profeta”, presbítero, afirmou que a conhecia, e que o marido não batia nela, também afirmou que não havia conhecimento de adultério, mas que o problema residia no fato de que os dois eram incompatíveis, estavam cansados do casamento, não se entendiam e etc. 

Eu não sei que deus falou pela boca deste presbítero, mas posso afirmar que não foi o Deus de Israel! O Deus da bíblia nos ensina que o casamento é para sempre (Mt 19.6), sendo permitido o divórcio em apenas três ocasiões: morte (Rm 7.2), adultério (Mt 19.9) e abandono da parte descrente (1Co 7.15). Alguns irmãos discordam das duas últimas permissões bíblicas para o divórcio, mas o fato é que de um jeito ou de outro a posição divina é clara: Deus odeia o divórcio! (Ml 2.16)

            O teste da Palavra de Deus reprovou a profecia deste presbítero, deixando claro que ele é um profeta da vaidade. É uma pena constatar que homens e mulheres de Deus tem se deixado levar pela vontade de estar em evidência numa congregação. O desejo de se mostrarem “cheios de poder” os fazem se comportar de forma vergonhosa como o exemplo acima. Seja pelo sucesso ou pelo status de “super-crentes”, tais pessoas acabam saindo do centro da vontade de Deus e se colocam em uma posição de inimigos do Senhor. A internet também está cheia de profetas da vaidade. A cada dia que passa surge uma nova “profecia” na internet que deixa os menos íntimos da Palavra desesperados, ansiosos e até depressivos. 

Há um autointitulado “profeta” famoso no Brasil que em um de seus cultos transmitidos pela TV, profetizou para uma mãe que estava com seu filho acometido de câncer de que ele estava sendo curado ali e que Deus estava mandando dizer que aquele jovem teria um futuro brilhante como jogador de futebol. Meses depois, aquele jovem morreu e a profecia não foi cumprida, deixando claro que o tempo é um dos maiores inimigos de um falso profeta (Dt 18.20-22). Esses tipos de profecias são fruto de uma mente fértil ou simplesmente maldosa, que não passam na peneira da bíblia sagrada. O livro de Ezequiel nos mostra como é a indignação de Deus com relação a tais profetas que não veem e nem ouvem nada, e mesmo assim saem distribuindo profecias e revelações sem pé e nem cabeça entre as congregações e pela internet:

“Assim diz o Senhor DEUS: Ai dos profetas loucos, que seguem o seu próprio espírito e que nada viram!” - Ezequiel 13.3
“Viram vaidade e adivinhação mentirosa os que dizem: O SENHOR disse; quando o SENHOR não os enviou; e fazem que se espere o cumprimento da palavra. Porventura não tivestes visão de vaidade, e não falastes adivinhação mentirosa, quando dissestes: O SENHOR diz, sendo que eu tal não falei? Portanto assim diz o Senhor DEUS: Como tendes falado vaidade, e visto a mentira, portanto eis que eu sou contra vós, diz o Senhor DEUS.” - Ezequiel 13.6-8

Não deixe que a tentação do status de evidência faça você se tornar uma pessoa mentirosa que transmite profecias, revelações e sonhos inventados em nome do Senhor. Deus não se agrada de tal soberba e presunção! Além disso, entregar uma profecia falsa para alguém gera uma expectativa de cumprimento em quem a recebe, e todos nós sabemos que tais coisas não irão se cumprir certo? Ao esperar aquilo que não virá, a pessoa passa do estado de uma alma esperançosa e cheia de fé para o estado uma alma frustrada com Deus. Tudo isto por causa de um ou uma profeta que por pura soberba e vaidade inventou revelações e profecias de sua própria mente para se exibir como uma pessoa cheia do poder de Deus diante da congregação. Será que o gostinho de ser admirado por alguém vale uma alma frustrada com Deus? É claro que não!

Os tempos são trabalhosos! Há muitos amantes de si mesmos com aparência de piedade em busca de prestigio e status vãos, capazes até de inventar profecias e revelações. Sobre isto, registra o apóstolo Paulo:

“E até importa que haja entre vós heresias, para que os que são sinceros se manifestem entre vós.” - 1ª Coríntios 11.19

Que Deus tenha misericórdia destes falsos profetas, e que eles encontrem o caminho da verdade para que suas almas sejam salvas no último dia. Amém.




Julio Celestino
10 de Abril de 2020, Vitória, Espírito Santo.

Belas Maldições

Michael Sheen como Aziraphale e David Tennant como Crowley - Série: Good Omens



Good Omens (Belas Maldições) é uma série original do sistema de streaming de vídeo da Amazon, atual concorrente da gigante Netflix. Este seriado foi extraído do livro de Terry Pratchett e Neil Gaiman intitulado originalmente de “Good Omens”, ou em português “Belas Maldições”, lançado em 1990 no Reino Unido. Trata-se de uma estória apocalíptica onde um anjo chamado Arizaphale e um demônio chamado Crowley decidem unir suas forças para impedir a batalha do Armagedom e o fim do mundo.

A parte interessante da série é que estes dois seres se conhecem desde o Éden, e presenciaram a queda da humanidade através de nossos pais Adão e Eva. Eles também estavam presentes nos momentos marcantes da história do mundo como as guerras medievais, a revolução francesa, dentre outros. Aziraphale trabalhava para o céu, em contrapartida, Crowley para o inferno. Porém uma antiga profecia da qual eles conheciam estava prestes a se cumprir, o fim do mundo! O problema é que o anjo Aziraphale gostava de ser um dono de livraria e de comer e beber em restaurantes finos daqui na terra. Assim como Aziraphale, o demônio Crowley adorava as músicas de rock, seu apartamento requintado e o seu belo e imponente carro! Ou seja, mesmo pertencentes a outra dimensão, eles passaram a gostar de viver no conforto deste mundo!

Por este motivo, o anjo Aziraphale e o demônio Crowley se uniram para impedir o Anticristo e os quatro cavalheiros do apocalipse que já estavam presentes na terra para executar a missão de iniciar a batalha final entre o céu e o inferno.

Esta estória um tanto quanto confusa e engraçada me levou refletir sobre algumas verdades práticas. Uma delas é o fato de que apesar de se tratar de seres que não são deste mundo, eles se acostumaram e passaram a gostar do mundo! Ambos conheciam a profecia e sabiam que estavam na terra apenas de passagem, mas a paixão às coisas daqui fez água e óleo trabalharem em conjunto para permanecerem desfrutando dos prazeres terrestres. Isto me fez pensar nos cristãos que temem o translado para o céu através do arrebatamento da Igreja e a consumação dos séculos na segunda vinda de Jesus Cristo.

Em uma de suas palestras, o saudoso Dave Hunt contou a história de um pastor que estava pregando em sua igreja, e em dado momento da pregação ele perguntou:

- Qual de vocês gostariam de ir para o céu?

Todos levantaram suas mãos, com exceção de um jovem que estava na fileira da frente do templo. Após o culto, o pastor procurou aquele jovem que não levantara a mão, e perguntou se ele realmente não gostaria de ir para o céu no arrebatamento, e em tom de surpresa o jovem respondeu:

- Claro que sim! Com certeza eu quero ir para o céu!

O pastor replicou:

- Então porque você não levantou a mão?

O jovem respondeu:

- Eu pensei que você tinha perguntado quem queria ir para o céu agora!  

É engraçado como nos apegamos as coisas deste mundo de modo que tememos em maior ou menor grau a consumação dos séculos. Porém, a bíblia sagrada nos ensina a amar a vinda de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo e o Arrebatamento da sua noiva amada. Em Romanos 8.19-26, aprendemos que existe uma ardente expectativa da criatura pela manifestação do Filho de Deus; toda a criação geme aguardando a sua redenção. Assim como a natureza, nós, os filhos da luz, devemos ansiar pela manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo e aguardar com esperança o momento em que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e o que é mortal se revista da imortalidade (1Co 15.53).

No céu estaremos livres das lágrimas de dor e tristeza. Lá não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor (Ap 21.4). Iremos nos reencontrar com amigos que um dia em Cristo foram feitos nossos irmãos! Aleluia! Não haverá mais noite ali, nem precisaremos de sol ou lua para que se resplandeça a luz, porque a Glória de Deus será a luz que clareia a Santa Cidade! (Ap 22.5). Sobre isto, nosso Senhor Jesus alerta em Apocalipse 22.7: “Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro”.  

Jesus Cristo vem! Aleluia!


            O apóstolo Paulo em sua carta aos tessalonicenses, especificamente no capítulo 4, dos versículos 13 ao 18, nos dá a descrição de como será o arrebatamento iminente da Igreja de Jesus Cristo. A bela narrativa nos informa que ante a última trombeta, seremos transformados num piscar de olhos, e o Espírito Santo nos levará até as nuvens para nos encontrarmos como nosso amado Salvador! A chave da esperança está no versículo 18 onde Paulo nos recomenda: “Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras”.

O arrebatamento e a segunda vinda de Cristo não são temas para causar medo, pelo contrário, são uma palavra de consolo! O mundo nos oferece muitas coisas, até lícitas, porém nem todas convêm-nos praticar. Não podemos trocar uma eternidade de alegria por aquilo que o mundo oferece. Tenhamos medo! Medo de sermos deixados para trás! E usemos a fé para dizer com toda convicção: Maranata! Ora vem Senhor Jesus! (1Co 16.22)

São Coisas que a Vida nos Impõe

Ninguém pede para nascer pobre ou rico; ninguém pede para nascer negro ou branco, ninguém pede para nascer numa favela ou num bairro nobre. Você tem que trabalhar para viver; direitos e deveres a cumprir; além da responsabilidade sobre suas escolhas. Em alguns casos, é possível lutar e mudar o cenário, em outros não. São coisas que a vida nos impõe.


Julio Celestino


22 de fevereiro de 2020, Vitória, Espírito Santo.

Popular Posts

Like us on Facebook

Flickr Images