A Identidade dos Filhos de Deus em Gênesis 6

21:28


OS FILHOS DE DEUS E AS FILHAS DOS HOMENS
Gênesis 6.1-4

"E ACONTECEU que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e lhes nasceram filhas, Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram. Então disse o SENHOR: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos. Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama."

DEZ MOTIVOS PARA CRER QUE ERAM ANJOS CAÍDOS

1º - De acordo com Gênesis 6.1, quem começou a multiplicar-se sobre a face da terra foi a humanidade, filhos dos homens, filhos de Adão. A palavra “começaram” nos dá entendimento de que o texto está se referindo ao início da expansão humana na terra e não apenas de uma descendência específica como a de Caim.

2º - O Termo “homens” vem do hebraico “adam” (i.e. Adão), referindo-se à espécie humana ou à Adão e não apenas a descendência de Caim.

3º - Se “homens”, ou em hebraico “adam”, remete à espécie humana, logo as “filhas dos homens” (hb. bath adam) são mulheres de qualquer família humana, tornando improvável que o texto esteja se referindo apenas às mulheres da linhagem de Caim como muitos afirmam.

4º - Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas. Este versículo mostra um contraste entre os filhos de Deus e as filhas dos homens com uma notável diferença de naturezas. Se os filhos de Deus “viram” que as filhas dos homens eram formosas, e nós aceitássemos que estes são os homens da linhagem de Sete que se corromperam com as mulheres da linhagem de Caim, surgiria a seguinte indagação: porventura entre os milhares de mulheres da linhagem de Sete não havia mulheres formosas? Para que vissem beleza tal apenas nas descendentes de Caim?

5º - Todas as vezes que termo “filhos de Deus” (hb. ben ‘Elohiym) aparece no Antigo Testamento, SEMPRE se refere aos anjos. São eles: Jó 1.6; 2.1; 38.7; Sl 29.1; 89.6; Dn 3.25. Logo não faria o menor sentido se apenas no texto de Gênesis 6.2,4 se referisse à descendência piedosa de Sete.

6º - O termo “filhas dos homens” vêm da expressão hebraica “bath adam” que traduzindo ao pé da letra significa “filhas de Adão”. Partindo da língua original, fica claro que tanto as mulheres da descendência de Sete quanto as da de Caim podem e devem ser chamadas de filhas de Adão, já que Caim e Sete são irmãos do mesmo pai.

7º - O versículo 6.4 nos informa que sugiram gigantes (nefilins) a partir da relação dos filhos de Deus com as filhas dos homens, antes e depois do dilúvio. Se o termo “filhos de Deus” se refere aos varões da descendência de Sete e as “filhas dos homens” às mulheres da descendência de Caim, surge a seguinte pergunta: Desde quando o relacionamento sexual entre homens piedosos e mulheres ímpias geram gigantes?

8º - O texto supracitado diz: "estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama".

          O dilúvio veio com fim de acabar com a corrupção humana generalizada. Se os filhos de Deus eram os filhos de Sete que se corromperam casando-se com as filhas de Caim gerando os Nefilins (gigantes), estes deviam estar extintos após o dilúvio, já que apenas Noé e sua família sobreviveram para repovoarem a terra posteriormente, porém, o texto bíblico é claro em informar que esta raça de gigantes se fez presente após o dilúvio:

“Os emins dantes habitaram nela (na terra); um povo grande e numeroso, e alto como os anaquins. Também estes foram considerados refains como os anaquins; e os moabitas os chamavam emins. ” - Deuteronômio 2.10,11
“Porque só Ogue, o rei de Basã, restou dos gigantes; eis que o seu leito, um leito de ferro, não está porventura em Rabá dos filhos de Amom? De nove côvados (4,05 metros), o seu comprimento, e de quatro côvados (1,80 metros), a sua largura, pelo côvado comum. ” – Deuteronômio 3.11

“Também vimos ali nefilins, filhos de Anaque, descendentes dos nefilins; e éramos aos nossos olhos como gafanhotos, e assim também éramos aos seus olhos. ” – Números 13.33

A terra de Amom era chamada de "terra de gigantes", porque nos tempos antigos os gigantes habitavam lá:

“E chegando até defronte dos filhos de Amom, não os molestes, e com eles não contendas; porque da terra dos filhos de Amom não te darei herança, porquanto aos filhos de Ló a tenho dado por herança. Também essa foi considerada terra de gigantes; antes nela habitavam gigantes, e os amonitas os chamavam zamzumins. ” – Deuteronômio 2.19,20

Deus ordenou a Josué que destruísse toda vida em Canaã, incluindo mulheres e crianças, porém Josué não cumpriu a ordem completamente, deixando alguns povos em vida:

“Nenhum dos anaquins foi deixado na terra dos filhos de Israel; somente ficaram alguns em Gaza, em Gate, e em Asdode. ” - Josué 11.22

Por este motivo, o povo de Israel foi desafiado numa batalha contra os filisteus durante o reinado de Saul pelo gigante Golias que era terra de Gate, sua altura era de aproximadamente 2,92 metros:

“Então saiu do arraial dos filisteus um homem guerreiro, cujo nome era Golias, de Gate, que tinha de altura seis côvados e um palmo. ” – 1º Samuel 17.4

Além de Golias, outros gigantes também morreram pela espada de Davi e seus guerreiros:

“Houve outra guerra entre os filisteus e Israel. Davi e os seus soldados foram e lutaram contra os filisteus. Durante a batalha Davi ficou muito cansado. Um gigante chamado Isbi-Benobe tinha uma lança de bronze que pesava mais ou menos cinco quilos e estava usando uma espada nova. Ele pensou que podia matar Davi. Mas Abisai, cuja mãe era Zeruia, socorreu Davi, atacou o filisteu e o matou. Então os soldados de Davi fizeram a promessa de nunca mais deixar que Davi saísse com eles para a guerra. Eles disseram:
— O senhor é a esperança de Israel, e nós não queremos perdê-lo.
Depois disso houve outra batalha contra os filisteus na cidade de Gobe. E Sibecai, da cidade de Husa, matou um gigante chamado Safe. Houve mais uma batalha contra os filisteus em Gobe, e Elanã, filho de Jair, de Belém, matou Golias, da cidade de Gate. O cabo da lança de Golias era da grossura do eixo de um tear de tecelão. E houve ainda outra batalha em Gate. Ali havia um gigante, descendente dos antigos gigantes, que tinha seis dedos em cada mão e em cada pé. Ele desafiou os israelitas; e Jônatas, filho de Simeia, irmão de Davi, o matou. Esses quatro eram descendentes dos gigantes da cidade de Gate e foram mortos por Davi e os seus soldados. ” - 2º Samuel 21.15-22 (NTLH)

Por fim, todos esses registros de gigantes após o dilúvio provam que a causa do surgimento dos Nefilins vai além da união da descendência de Caim com a de Sete, visto que quem repovoou a terra após o dilúvio foi apenas a família de Noé.

9º - Segundo o dr. Carlos Augusto Vailatti, a interpretação de que os “filhos de Deus” eram anjos é a mais antiga, e tais afirmações podem ser verificadas em diversos autores da antiguidade judaico-cristã, que vão desde o século III a.C. até o V séculos d.C. sendo eles:

No contexto judaico: Septuaginta (III Séc. a.C.); 1 Enoque 6:1-4; 7:1-2 (II séc. a.C.); Jubileus 4:15; 5:6 (II-I séc. a.C.); 2 Enoque 18 (I séc. d.C.); 2 Baruque 56:10-14 (I séc. d.C.); Documento de Damasco, de Qumrã, CD 2:16-19 (I séc. d.C.); Filo de Alexandria, De Gigantibus 6-7 (I séc. d.C.); Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas 1:73 (I séc. d.C.); Gênesis Apócrifo 2:1 (I séc. d.C.); Targum Pseudo-Jonatan de Gn 6:1-2,4 (II séc. d.C.).

No contexto Cristão: Justino Mártir, 2 Apologia 2:5 (II Séc. d.C.); Irineu de Lyon, Demonstração 18; Contra as Heresias 16:2 (II séc. d.C.); Atenágoras, Um Apelo aos Cristãos 24 (II séc. d.C.); Clemente de Alexandria, Miscelâneas 5:1,10 (II-III sécs. d.C.); Tertuliano, Sobre a Idolatria 9; Contra Marcião 5:18; Sobre o Véu das Virgens 7 (II-III sécs. d.C.); Lactâncio, Instituições Divinas 2:15 (III-IV sécs.); Eusébio de Cesaréia, Preparação 5:5 (III-IV sécs. d.C.); Ambrósio de Milão, Noé e a Arca 4:8 (IV séc. d.C.); Jerônimo, Hebreus 6:4 (IV-V sécs. d.C.); Sulpício Severo, História 1:2 (IV-V sécs. d.C.).[1]

10º - Além de sua essência principal, a epístola de Judas toma duas histórias emprestadas de dois livros apócrifos (O Livro de Enoque e A Assunção de Moisés) para apresentar verdades divinas para as igrejas. Seu versículo 6 nos traz a realidade do pecado de tais anjos citados em Gênesis 6:

“E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia”.

De acordo com o texto os anjos não guardaram seu principado (arche), que significa o estado original, assim como deixaram a sua própria habitação (oiketerion), isto é, passaram de seus corpos angelicais para corpos materiais parcialmente compatíveis com o corpo humano. É oportuno lembrar que a palavra oiketerion (habitação) só aparece duas vezes na bíblia; uma é esta citada por Judas, e a outra foi citada por Paulo em 2ª Coríntios 5.2. Em ambos os casos a palavra oiketerion se refere ao corpo.

E qual foi o pecado desses anjos?

“Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.” – Judas 7

Assim como Sodoma e Gomorra se entregaram a fornicação indo após outra carne, ou seja, consumando o ato sexual de uma forma contrária a natureza, eles foram e estão sendo punidos até hoje. No caso de Sodoma e Gomorra “ir após outra carne” se refere à pratica homossexual conforme lemos em Gênesis 19.1-29, já no caso dos anjos certamente se refere ao fato de terem fornicado com mulheres humanas conforme descrito em Gênesis 6.2,4.

O apóstolo Pedro em sua segunda epístola universal também cita o pecado de tais anjos:

“Porque, se Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no inferno, os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo” – 2ª Pedro 2.4

Estes são os dez motivos pelo qual creio que “os filhos de Deus” descritos em Gênesis 6.2,4 se refere aos anjos caídos. Em meio a tantas evidências de tal acontecimento, é inaceitável que o hermeneuta adepto a este conceito seja titulado como louco ou herege por crer nesta interpretação clássica acerca dos anjos caídos e da origem dos Nefilins.



Julio Celestino - 15 de Março de 2019, Vitória, Espírito Santo. 



[1] Revista Vértices No. 15 (2013) pg. 99, (http://revistas.fflch.usp.br/vertices/article/view/1459/1928) acessado em 16/02/2019.
*Dicionário consultado: Strong's Exhaustive Concordance of the Bible via software The Word

Você Também Pode Gostar

0 comentários

Popular Posts

Like us on Facebook

Flickr Images